Sons desta Noite: “Ekphrasis (Continuo II) de Luciano Berio [orquestra]

Etiquetas

Ekphrasis (continuo II) é um comentário reservado e reflexivo de um adágio que escrevi em 1990. É um comentário numa paisagem contínua formada por uma interlaçado de padrões repetíveis.

Não tive nenhuma intenção de compor uma metáfora musical para a arquitectura enquanto trabalhava em Continuo. Nem quis escrever uma homenagem musical a famosos arquitectos de Chicago, como Sullivan, Wright ou Mies vann der Rohe. Nem quis construir nenhuma directa referência para as construções tanto divertidas como intelectuais de Renzo Piano, cuja obra eu admiro. Durante o período de composição, contudo, apercebi-me que foi isto exactamente o que aconteceu. Os processos musicais dentro da textura de Continuo têm, indubitavelmente, semelhanças com principais arquitectónicos, em forma abstracta, se não na sua forma estática. Os padrões musicais resultam numa construção completamente impraticável, sem portas ou corredores. A sua expressividade atraente, mesmo assim, reside na contradição de ser inabitável por um lado, e por outro, aberto a qualquer um para extensões alternativas por acrescento de novas asas, quartos e janelas.”

Luciano Berio

 

Anúncios

Sons desta Noite: “A Visita de Velha Dama” de Gottfried von Einem [ópera]

Etiquetas

A comédia “Der Besuch der alten Dame ( A Visita da Velha Dama), primeiramente executada em 1956, tornou a peça de teatro homónima de Friedrich Dürrenmatt famosa mundialmente, principalmente depois da versão cinematográfica de 1963, protagonizada por Ingrid Bergman. Gottfrid von Einem viu a peça pouco depois da sua estreia e considerou-a como base da sua ópera. Contudo, demoraria cerca de 10 anos, até o compositor começar a trabalhar na obra operática.

Quando Dürrenmatt tomou conhecimento do plano do compositor e procurando apreender o estilo de composição de Von Einem, rapidamente concordou com a adaptação da sua peça teatral, criando ele próprio, o libreto. A estreia de grande sucesso decorreu a 23 de Maio de 1971, na Ópera Estaal de Viena. A parábola de Dürrenmatt sobre a amoralidade de uma comunidade de classe média aparentemente decente, respeitável mas secretamente parasitária de dinheiro e egocêntrica, é tão actual como quando foi escrita. O retrato intenso da composição musical, principalmente da atmosfera homicida que rapidamente descende à volta da vítima de Claire, Ill o lojeiro; o uso evocativo das cores orquestrais e não menos a parte de Claire Zachanassian, a “tour de force” para mezzo-soprano, tornou a ópera num dos sucessos mais duradouros de Von Einem.

Como jovem mulher, Claire Zachanassian ficou grávida e então abandonada por Ill, o lojeiro, na sua casa na cidade de Güllen. Ela foi conduzida até fora da pequena cidade por habitantes moralistas, que a humilham e a etiquetam como rameira. Muitos anos depois, os seus inúmeros casamentos deixaram-na incrivelmente abastada, quando regressa à cidade Güllen, que agora é terrivelmente decrépita e empobrecida. Ela traz consigo um caixão: ela planeia arrastar para a morte por vingança o homem que a seduziu de maneira tão fria. Decide oferecer à cidade um bilião para quem trouxer Ill, morto. Depois do choque inicial, a ganância pelo dinheiro prevalece eo plano cínico funciona. Ill é capturado pelos habitantes e morto, e recebem o bilião. Clarie parte novamente com o corpo no caixão como troféu de caça.”

Sons desta Noite: “Nymphéa Reflection” de Kaija Saariaho [orquestra de cordas]

Etiquetas

,

De uma grande compositora do nosso tempo. Música de Saariaho, inspirada no poema de Arseny Tarkovsky:

Now summer is gone
And might never have been.
In the sunshine it’s warm.
But there has to be more.

It all came to pass,
All fell not my hands
Like a five-petalled leaf,
But there has to be more.

Nothing evil was lost,
Nothing good was in vain,
All ablaze with clear light
But there has to be more.

Life gathered me up
Safe under its wing,
My luck always held,
But there has to be more.

Not a leaf was burnt up
Not a twig ever snapped…
Clean as glass is the day,
But there has to be more.