Etiquetas

Meyer Kupferman foi um compositor americano auto-didacta, cuja carreira composicional inseriu-se numa busca do contraste, de elementos tonais com atonais, muito enraizada no “free jazz” que tanto praticava com o seu clarinete. Sobre a sua Sinfonia Quasar:

“Os quatro andamento da Sinfonia “Quasar” é claramente de jogos de contrastes. Na conexão destes jogos, temos uma harmonia atonal: as suas séries dodecafónicas “Infinities” (sol-fá-láb-dób-sib-ré-fá#-mi-dó-mib-la-dó#), as mesmas que usou por mais de trinta anos. A obra, completada em 1996, cria uma aproximação à orquestra como se tratasse de um ensemble gigante em estilo concertante. Isto é possível, muito porque o compositor estava no mesmo ano, em processo de composição de três concertos (para violino; guitarra; flauta). O primeiro andamento por exemplo, tem três pequenas cadenzas – como solos para oboé quase de início, para trompa e finalmente para violino. O segundo andamento, concebido num tradicional scherzo, também tem duas cadenzas para fagote e marimba e outro, um pequeno fragmento, para três flautas. O acelerado compasso 5/8 provoca um ambiente humorístico e enérgico. O terceiro andamento é escrito para cordas, três clarinetes e flauta alto. As cordas estão segmentadas em 10 partes divisi, criando uma textura contrapontística altamente complexa. Esta cria eventualmente um pano de fundo para os clarinetes, no executar de uma série disjunta em pleno uníssono! Finalmente, os clarinetes divergem na sua própria cadenza sobre as frenéticas cordas. O último episódio consiste nas palavras do compositor “…um andamento de louco Jazz, aglomerando bocados ritmos Swing arcaicos com um leque desafiante de virtuosos “licks” orquestrais, circa 1996″.

Os jogos rítmicos aqui são “dizzying” e aproximação instrumental é impiedosa nos solos atribuídos. A harmonia de 12 sons, a percussão fervescente, os perfis instrumentais altamente coloridos e versáteis, acentos imprevisíveis contrapontísticos – mantém toda a gente nas pontas dos pés – especialmente o ouvinte.”

(Valentine Fabian)

Anúncios